3/24/2008

Se arrependimento matasse...

A Samsung ainda não digeriu a saída do Corinthians e dá indícios de arrependimento.
 
A tentativa de valer-se de uma vantagem contratual para reduzir o valor de patrocínio por causa do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, rescindir o contrato e assistir uma operadora de planos de saúde, não só cobrir a oferta mas investir 50% a mais, obrigou a divisão brasileira da multinacional a refletir sobre o caso.
 
Patrocinando os Jogos Olímpicos deste ano, a Samsung investirá algo em torno de US$ 65 milhões para divulgar sua marca mundialmente, além de obter uma divulgação satisfatória com o Chelsea, clube que em 2005 fechou contrato de 75 milhões de Euros por 5 anos (algo em torno de R$ 40 milhões/ano). O Chelsea projeta 20 milhões de fãs no mundo todo.
 
No Corinthians, a Samsung iniciou seu patrocínio no meio do ano de 2005 e investiu cerca de U$ 6,1 milhões no primeiro ano e US$ 6,71 milhões em 2007, praticamente 1/6 do que a empresa investiu no Chelsea. O Corinthians projeta 35 milhões de torcedores apenas no Brasil.
 
A exposição na camisa do Corinthians deu visibilidade extremamente positiva para a Samsung no Brasil, que em constantes pesquisas internas, avaliava o patrocinio e, mais recentemente, o impacto de sua saída do clube. Coincidência ou não, houve um recuo no consumo e os produtos Samsung, deixando de ser líder do segmento este ano.
 
No meio do ano passado, o São Paulo foi procurado pela Samsung que pretendia substituir a LG, oferecendo algo bem próximo dos valores pagos de patrocínio ao Corinthians, mas a proposta serviu apenas como motivação para a renovação com a LG.
 
Atualmente a Samsung estuda retornar ao Corinthians em 2009, que em recente pesquisa teve sua camisa estimada em R$ 2 bilhões/ano por conta da exposição em jornais, revistas e televisão - se o patrocinador tivesse que investir diretamente com as midias pela mesma exposição.
 
Se o estádio do Corinthians ainda nem saiu do papel, ao que tudo indica, não faltarão propostas para absorver o nome do estádio como já ocorreu com o Furacão e seu Kyocera Arena. Neste quesito Petrobrás e Samsung fazem uma disputa silenciosa, entre jantares e reuniões informais e sem alarde na mídia.
 
A paixão do torcedor do Corinthians foi subestimada e a Samsung já entendeu o recado, que pelas pesquisas feitas e pelo que se comenta no alto escalão da multinacional no Brasil, após as olimpíadas, o objetivo será reatar o namoro, mas pelo que ele realmente vale.
 
* As informações sobre o assunto foram obtidas diretamente com funcionários da Samsung. E não existiu qualquer confirmação, oficial ou informal, pela diretoria do Corinthians sobre o caso.
Postar um comentário