2/25/2009

Marketing sem rivalidade

 
A conversa não ficou apenas da boca pra fora. Corinthians e Palmeiras alinham estratégias para promover um dos maiores clássicos do mundo, inclusive franqueá-lo como marca a ser explorada.
 
Como idéia principal, para o próximo clássico ainda não poderá ser devidamente explorada, pois não é possível compor e vender o chamado Naming Rights [Direitos sobre o Nome], porém outras ações estão sendo promovidas. O Clássico ganharia uma "marca", cujo o valor negociado seria dividido entre os clubes.
 
Para este jogo, a camisa de ambos os times terão um logotipo especial, mas ainda não serão comercializadas, mas as camisas de jogo podem ser leiloadas e a renda revertida para alguma entidade assistencial.
 
Na conversa que mantive com alguns envolvidos no projeto, não está descartada promover também a paz entre as torcidas, com ações envolvendo a presença de jogadores adversários treinando [apenas como demonstração], como por exemplo, o Goleiro Marcos treinar na Fazendinha por uma tarde e o atacante Ronaldo fazer o mesmo no Parque Antarctica, bem como levar o elenco todo para uma visita na casa do adversário ou encontrar-se em algum local para promover algum tipo de ação conjunta.
 
Camisetas, bonecos, canecas e todo o tipo de "rivalidade do bem" estão em pauta para a comercialização. Uma idéia bacana foi a de comercializar painéis e quadros com pontos de vista que durante a partida seria impossível registrar, como o momento do chute do atacante do Corinthians e uma ponte do goleiro Palmeirense clicada praticamente atrás da bola ou até outros itens que possam relacionar o derby como uma disputa sadia.
 
E as organizadas? Bom, também foi alvo da discussão, pois foi mostrada que a participação deles poderia mudar a imagem de grupo marginal, mas mesmo sob a ressalva de ambos, a paz e a boa convivência acabam por falar mais alto, assim ações entre as organizadas também não estão descartadas.
 
O Palmeiras vai à contra-mão do que o São Paulo resolveu adotar como "estratégia". Enquanto a diretoria do São Paulo limita os ingressos e trata o adversário com desprezo e egoísmo, oferecendo apenas 10% dos ingressos, local sem privilégio algum e dividido por vidros e paredes de concreto ilegais, a diretoria do Palmeiras ofereceu praticamente 50% do estádio, ao levar o derby para Presidente Prudente, além de servir ao Corinthians, 30% da renda.
 
Tal atitude mostra que as diretorias e o marketing dos clubes estão conversando. Resta aguardar a próxima partida do Campeonato Brasileiro para realmente observar estas ações e qual será o efeito delas entre as torcidas e o que o mundo observará sobre isso.
 
Por fim, a idéia que particularmente eu achei bárbara, foi a de levar o Derby para fora do Brasil, um amistoso entre Corinthians x Palmeiras no Emirates Stadium, no Rose Bowl ou no Emirados Árabes, tanto faz... poderia ser até na La Bombonera ou Maracanã que já seria pra lá de interessante!
Postar um comentário