6/15/2011

Estádio: MP quer engessar obra

e sugere à Petrobras que não aceite a remoção dos dutos antes de contrato assinado.

Remover os dutos não é um obstáculo, as obras podem ser iniciadas sem a remoção imediata como já foi divulgado pelos técnicos e engenheiros da construtora na terraplanagem, porém o problema é o prazo que a mudança deles levará e o custo.

dutos-transpetro Os dutos de nomes OSVAT 22 e OSVAT-OC 24, ligam São José dos Campos a São Caetano do Sul e foram implantados no final da década de 70 e teriam a previsão de manutenção para o início da próxima década. No trecho do terreno de Itaquera, sua remoção estaria previsto orçamento de R$ 3,5 milhões. 

A orientação do MPF é evitar problemas jurídicos futuros e para que a Petrobrás não assuma os custos, hoje orçados em R$ 30 milhões.

Vale lembrar que o mesmo Ministério Público atrasou a liberação do terreno justamente pelo fato do Corinthians não ter cumprido o prazo para a construção do estádio, objeto da doação do terreno para o clube.

O que me deixa uma dúvida pertinente: Quer dizer que no passado, o Corinthians recebeu a doação de um terreno da Prefeitura para a construção de seu estádio, mas ele não poderia construir pois teria de pagar a remoção dos dutos? É isso mesmo? Quer dizer que foi feito um acordo para pagar um “aluguel” proporcional para no final os dutos cairem no colinho do time vitrine do mercado bancar essa?

Vai entender… depois ficam fazendo #mimimi por causa de uso de dinheiro publico, ah, vão se f…

Postar um comentário