7/23/2012

A maior conquista

Conversando com um dos leitores pelo Facebook, fui questionado qual seria o maior troféu conquistado pelo Corinthians.

Não vi o título de 77, pois tinha apenas 3 anos. Comecei a torcer mesmo ao me apaixonar pelo futebol de Biro-Biro, Zenon, Sócrates e Casagrande. Não sei se pela pouca idade, mas foi a época mais divertida pois a família toda comparecia aos estádios.

O título brasileiro de 90 foi para mim, em especial, um título da superação. Era Neto o maestro e Ronaldo fechando o gol. Se tinha falta, Neto marcava, se vinha bola, Ronaldo espalmava. E quem não se lembra das firulas de Ronaldo? Das mangingas de “fechar o gol” antes de cada início de tempo? E os joelhos ralados de Neto socando o ar com um gancho? Inesquecível.

Era um time limitado, mas brigador. Não tinha talento, tinha raça. Ninguém, absolutamente niguém da mídia apostava no Corinthians, mesmo próximo de conquistar o título, foi libertador.

Levar o Mundial de 2000 foi recompensador, depois de duas temporadas que nos deram o bi campeonato de 98 e 99, vencer no Rio foi a cereja do bolo, se é que me entendem. Porém vi em campo um time mercenário, sem união, mas que jogava muito bem.

Em 2005, o velho romantismo do futebol irreverente, desafiador, aliado com raça parecia estar de volta. Tevez se tornou ídolo pelas jogadas e arrancadas com aquela alegria de um garotinho.

Veio o penta ano passado, depois de quase ter vindo no ano anterior, mas aí o Mano foi pra seleça, veio o Adilson pardal, o Tite apenas pegou o bonde e tentou guiar. Quem imaginaria que o técnico que perdeu um brasileiro e foi eliminado da pré-Libertadores seria o campeão brasileiro no ano seguinte e da libertadores em seguida?

Ah, sim, Libertadores. Eu confesso que não estava empolgado, afinal como um time que perde para a Ponte Preta, se não vence um paulista,  pode pensar em conquistar a América? Queimei a língua.

Ocorre que, diferentemente de outros títulos, não consigo colocar esse como o mais importante da história do clube. O que por sí só já o descredencia a tal. Afinal um grande título tem história, tem entrega, tem dedicação… e não que a Libertadores não tenha proporcionado tudo isso, mas sinto que faltou algo.

Não bastou vencer invicto ou enfrentar times cascudos e campeões nas oitavas, nas quartas, na semi e na final. Ter no elenco um time temido, compacto e que todos fazem o combate. Compacto e mortal.

Porém parece que faltou algo, algo que está no DNA do torcedor corinthiano. Aquela coisa do gol nos acréscimos, da penalidade defendida, do jogo perdido e que a Fiel não parou e o time foi junto e tirou forças do além. Faltou sofrimento, com requintes de crueldade!

Pode ser que você não concorde comigo, até possa citar lances e até um certo drama, mas sofremos mais para conquistar o brasileiro de 1990 do que a libertadores de 2012. E aposto que o título de 77 então, foi ainda mais libertador. Foi um samba com enredo, harmonia e evolução pra delírio de uma nação. Eu não vi, mas tenho relatos apaixonantes de quem viu.

Mas pensando melhor, a maior conquista do Corinthians não é um título, mas ter uma imensa torcida fiel e assustadoramente apaixonante de 30 milhões de loucos. E pra você, qual foi a maior conquista do Timão?

Postar um comentário