10/24/2011

Antis em campanha

bandido-com-a-camisa-do-corinthians-e-preso-pela-policia-1319294538717_300x230 Na terça passada (18), uma reportagem exibida no SPTV Segunda Edição, da TV Globo, mostrava o treinamento de Policiais Militares de São Paulo.

Na simulação, um criminoso de cor escura vestia a camisa do Corinthians tinha como vítima uma outra pessoa de pele clara trajando camisa do São Paulo.

A PM publicou Nota Oficial se desculpando pelo ocorrido:

"A Policia Militar lastreia seus treinamentos calcada no respeito integral aos direitos fundamentais do cidadão, não fazendo e não admitindo nenhum tipo de discriminação. O episódio foi ocasional e pontual, não havendo intenção em macular a imagem de quem quer que seja. Lamentamos o ocorrido e nos desculpamos publicamente, e esclarecemos que a Instituição já orientou as unidades escolas a tomarem cuidado em eventuais alusões nos momentos de teatralizações"

Porém o episódio mostrou uma tendência em macular tudo relacionado ao Corinthians.

A Folha de São Paulo tem se especializado nisso. O exemplo é a recente reportagem sobre o uso de crack nas imediações da Arena Corinthians com o vulgar rótulo de Crackerão, como se o problema fosse exclusivo da Zona Leste, de Itaquera e do Corinthians.

 

 

Realmente fiquei sem entender o propósito da matéria, se era para defender os usuários, condenar a área ou o que? Construir uma mega clínica de recuperação no lugar da Arena Corinthians? Qual o sentido disso? Não assistimos à matérias como o Crackembú, Crackendé ou Crackumbi. É só para desvalorizar a imagem do futuro estádio do Timão?

Alias, qual foi a contribuição do repórter para obter o relato tão lúcido de um usuário marombado? Basta assistir um Profissão Repórter da TV Globo ou A Liga da TV Bandeirantes para entender sobre o que estou falando, afinal é facinho entrevistar e filmar um drogado.

Obviamente que para o torcedor mais informado nada disso é novidade, pra alguns ignorar é o melhor caminho, para outros vale a reclamação. O fato é que, contra tudo e contra todos, o Corinthians segue. Amado e odiado, mas é a fonte das matérias que mantém os empregos daqueles que são coniventes com uma redação tendenciosa e imoral que faz isso só pela audiência. Depois basta soltar uma notinha que ninguém lê e está tudo certo.

Postar um comentário