8/02/2009

Reformar ou Reconstruir ?

O São Paulo PRECISA de R$ 300 milhões para cercar-se de garantias necessárias para reformar e cobrir seu estádio para as exigências FIFA e assim ser o estádio sede paulista.

Nesta segunda, as 10h no Ministério do Esporte, haverá uma reunião entre o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, o secretário dos esportes da Prefeitura de São Paulo Walter Feldman, o ministro dos esportes Orlando Silva, além de representantes da Secretaria de Esporte, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo, além de pessoas envolvidas no projeto e agentes do BNDES.

O assunto será a participação do governo para acertar os detalhes do uso da máquina pública no empréstimo via BNDES no valor de R$ 300 milhões (R$ 120 milhões apenas para a cobertura) ao São Paulo.

O pagamento está previsto para 15 anos, mas o governo acena para 20 anos. O Tricolor assume que possui receita de R$ 16 milhões/ano, oriundas da locação de camarotes, lojas temáticas, restaurantes e locação do estádio para shows. O São Paulo projeta um lucro de R$ 30 milhões anuais com a implementação de mais camarotes, lojas, academia de ginástica (acordo com a Cia Athletica) e um novo memorial.

Fato é que a busca pelo BNDES mostra que o Tricolor não tinha como iniciar suas obras com “capital privado” e pior, terá que fechar o estádio para tais reformas com contratos vigêntes. Torçe para postergar a data e assume publicamente que o Corinthians faz falta ao orçamento.

O governador de São Paulo, José Serra, descarta a construção de um novo estádio, tanto que em parceria com a Prefeitura de São Paulo, fará a ampliação do sistema metroviário com a Linha Ouro, ligando o Jabaquara ao Morumbi, passando pelo Aeroporto de Congonhas via “Aerotrem”.

Portanto amanhã teremos novidades sobre o assunto, alias a confirmação que a população do estado engolirá mais essa, como já anunciei há tempos!

Postar um comentário