2/13/2012

Por uma oposição de verdade!

A incontestável vitória da Chapa Renovação & Transparência nas eleições do Corinthians mostra a importância dos novos grupos e dos novos sócios.

Foram nas urnas 4, 5 e 6 que votaram os associados mais novos e justamente onde a diferença de votos foi esmagadora.

Com uma diferença de 640 votos, Mário Gobbi venceu a eleição com 60% dos votos válidos.

Obviamente que o favoritismo e a boa administração de Andrés Sanchez garantiu o pleito.

Porém aponto alguns erros da Chapa Pró-Corinthians, as quais acho válido citar como forma de reflexão:


POSICIONAMENTO ANTI-DEMOCRÁTICO
Garcia sentiu na pele a rejeição de parte dos sócios que ainda se lembravam de seu discurso anti democrático, ao ser contra o voto dos sócios para presidente do clube e em campanha não mudou tal discurso.


COMENTÁRIO INFELIZ

Justificar a participação do Corinthians no Mundial de Clubes FIFA 2000 como ter ido á faculdade sem prestar vestibular, irritou boa parte da torcida, que questionou se o candidato era realmente torcedor do Corinthians.


DIGA-ME COM QUEM ANDAS

A unificação da oposição em uma chapa só foi comemorada a princípio, mas algumas pessoas que acompanharam e apoiavam Garcia tem forte rejeição dentre os novos sócios, entre eles Rolando Wohlers, Vicente Viscome, Rubão e Osmar Stábile.


APOIO DE QUEM NÃO VOTA

Garcia recebeu apoio de ex-jogadores que não se bicam com a atual diretoria como Dinei, Rincón e Vampeta. Porém foi com Marcelinho Carioca que teve seu principal revés ao ver o atleta mudar de posicionamento e apoiar Gobbi. Detalhe: nenhum desses ex-jogadores estavam aptos à votar nesta eleição, um deles confessou apoiar por dinheiro.


FALTA DE PROPOSTAS

Duas semanas antes do pleito, a chapa tinha como principal proposta cobrir por completo a Arena Corinthians, ignorando completamente o projeto original e sem oferecer maiores detalhes de como isso seria executado. Falou-se também do retorno das estrelas no distintivo, na contratação de três jogadores que já teriam assinado pré-contrato e na proposta de R$ 350 mi pelo Naming Rights do estádio.


VOLTA AO MORUMBI

Garcia acenou retornar a utilização do Morumbi por ser financeiramente mais viável ao clube. Torcedores questionaram se esta não seria uma decisão apenas para rebater os feitos da atual administração.


NOVA DIRETORIA

Sem expor nomes, Garcia não antecipou nenhum membro de sua nova diretoria. Nomes como Citadini e Rachid foram questionados se teriam cargos no clube. Garcia não respondeu.


DESACREDITAR O ADVERSÁRIO

A idéia da oposição sempre foi desmerecer Mário Gobbi por ser delegado de polícia, mas foi justamente atacando o adversário que o tiro saiu pela culatra. A situação desenterrou o calote da Kalunga na camisa do clube, entre outras reportagens de aliados jornalistas e blogueiros, que também descredenciavam a oposição.


Como citei, a popularidade de Andrés foi determinante, o que não isenta o excelente trabalho dos demais membros da diretoria.

Os erros acima são pontuais, alguns serão relembrados daqui 3 anos, mas para o verdadeiro sócio, não o que aparece de vez em nunca, não o remido, não aquele que vem só para pegar uma camiseta ou fazer uma boca livre num churrasco, o que realmente vale são as propostas, o histórico e no que o clube vai continuar crescendo ou mudando.

Se a oposição não mudar, se não for feito algo em prol do clube, sem revanchismo ou partidos, o menos pior continuará. A situação merece uma oposição forte, coesa, concentrada, mas não jogando contra, tem que apoiar e ajudar, fazendo do Corinthians maior do que ele já é. Feito isso, deixaremos de engatinhar para caminhar a passos largos, todos unidos!

Será sonho demais pensar que isso é possível?

Postar um comentário